17/08/04

AVÉ MARIA, por Abade de Tristes


No Domingo, dia 15/08/04, um Servente de Pedreiro de Barrancos parou o seu carro a meio da Ponte 25 de Abril, subiu os parapeitos e fez tenção de se suicidar, mandando-se para o rio Tajo. Não o fez. Foi convencido a não voar por um Polícia.

O amigo Zé Maria, super estrela do Big Brother, depois dos 15 minutos de fama e de ter derretido o dinheiro do prémio num restaurante manhoso, com sócios mais manhosos do que ele, entendeu que se devia suicidar. Suicidar não! Tentar suicidar. Porque a Polícia de certeza que não chegou nos 5 minutos seguintes a ele ter parado o carro. Nem sequer nos 10 minutos seguintes. Portantos, o rapazinho de Barrancos, fez o seu espalhafato e aguentou o tempo que foi necessário para que alguém viesse e o convencesse a voltar:
“- Volta Zé, não voes que tu não sabes nadar e a água está fria, vem cá que tás perdoado!”

E o animal voltou. Julga que conquistou novos 15 minutos de fama. E se calhar conseguiu. Mas isso nada vai mudar na vida dele. Ou no que resta dela. O problema base, é que o gajo é Servente de Pedreiro. Trolha. Sabe acartar baldes de massa. E isso só é desonra na cabecinha dele. É serviço certo, bem pago, bem visto e com grandes possibilidades de ascensão neste país de Construtores, mais do que de Navegadores.

Mas o gajo não quer ser Servente de Pedreiro. Quer ser estrela. E julga que é uma estrela. É claro que ele sabe que não canta, não dança, não pinta, não escreve, não tem corpinho de jeito e pior ainda, sabe também que não sabe articular duas palavras de jeito. Tudo isto ele sabe e sabe que nós sabemos. Mas ainda assim, o gajo não quer ser Servente. Quer ser estrela. Com estatuto e paga a condizer. E julga-se com direito divino a ser estrela.

O trolha é uma ignomínia, logo, vou voar! E logo da Ponte sobre o Tejo. Que nojo! Um bom barranquenho suicidava-se nos cornos do Toiro de Morte lá na praça da terrinha com direito a Olés e o toiro com direito a orelha. Aí sim tínhamos estrelato, merecido e imortal. Da Ponte sobre o Tejo continuamos a ter Servente de Pedreiro.

Mas o gajo julga que não e que da Ponte vai voltar a ser estrela. A voar.
Lisboa abocanhou-o, mastigou-o e cuspiu-o.
E vai voltar a fazê-lo. Só o gajo é que não sabe. Julga que é estrela.

Sem comentários: