23/11/04

Hare Krishna, por Mahatma Singh.

Local: mosteiro budista habitado por monges carecas vestidos com túnicas de cores laranja e amarelo que meditam silenciosamente. O Grande Dalai Rama levita na posição de lótus quando é, subitamente, interrompido pelo jovem e tímido discípulo.
- Mestre, perdoa-me esta interrupção...
- Sim, meu filho. Que inquietação é essa que te leio no rosto e te leva a interromperes o momento divino da meditação em que a alma e o corpo por momentos se fundem e são um só?
- Perdoai-me mais uma vez, Venerável Mestre, por perturbar a Divina Reflexão, mas uma dúvida inquieta-me o espírito e impede-se de atingir a placidez do Nirvana.
- Diz então, meu filho, o que tanto te inquieta, para teres decidido perturbar o estado de plenitude que partilhavávamos com Vishnu.
- Mestre, tenho uma dúvida que me atormenta: é verdade que uma pérola se pode furar pelos seus dois orifícios, enquanto uma mulher apenas se deixa furar por um...
- Sim, meu filho, é verdade. E qual é a tua dúvida?
- Mas, venerável e santo Mestre, ao que parece, há mulheres que se deixam furar pelos dois orifícios! Sendo assim, Mestre, qual é a diferença entre uma pérola e uma mulher?
- É que isso, meu filho, não é uma mulher, mas uma pérola.

Sem comentários: