09/12/04

As Músicas do Porco, Can´t Take My Eyes off You (Frankie Valli), por Anarca de Noé


Pode o Pop ser eterno, ele que é pela sua natureza, a arte do efémero? Eu acho que sim, de cada vez que ouço Can´t Take My Eyes off You, canção composta por Bob Gaudio e Bob Crewe e imortalizada por um cometa de quem não conheço mais nada: Frankie Valli.

Valli, nome de baptismo, Francis Castellucio, fez uma carreira a solo quando não esteve ligado aos Four Seasons (esses, os pirosos autores da banda sonora do inenarrável Grease). Can´t Take…, apareceu num anúncio recente a um carro e em inúmeros filmes, como Teoria da Conspiração (Richard Donner), O Caçador, Scooby Doo ou o Diário de Bridget Jones, e até o grande Ryuchi Sakamoto a foi buscar para a banda sonora de Wild Palms. Renasce década após década – eu lembro-me que era um dos grandes sucessos do Giovanni uma velha disco de Monte Gordo nos anos 80. Também já ouvi a melodia cantada em claques de futebol. Tem montes de versões, para além da melhor de todas - o próprio original romântico-kitch de Frankie Valli. Que eu saiba, Lauryn Hill, Muse, a diva Gloria Gaynor, Andy Williams, Mélanie Doane , Models, todos eles, fizeram versões de Can´t Take My Eyes off You.

A música é melosa, exagerada, kitch… Começa em tom orquestral e depressa descamba para um ritmo que nos puxa o sapato para a dança. Valli canta-a com a emoção à tona, sinceramente comovido. Parece que o vejo a tremer quando berra o refrão:
I love you baby, and if it`s quite allright, i need you baby, to warm a lonely night, I love you baby, Trust in me when I say it to you.

A letra pretende ser romântica mas se o é, é-o pela ausência total de poesia e de conteúdo metafórico. Um homem (ou será uma mulher?) declara, pura e simplesmente, à sua apaixonada/o que «não consegue tirar os olhos dela», que «ainda bem que está vivo», ou que «ela é demasiado boa para ser verdadeira». Simples e cru! Can´t Take… é, deste ponto de vista, a antítese literária de Something dos Beatles, uma das mais belas canções de amor, mas sem mencionar uma única vez a palavra «amo-te».

Em suma, uma compilação de clichés de marialva de esgoto, de gel no cabelo e pente no bolso de trás da calcinha com vinco. Eu gosto desta letra. Quem não gostaria que lhe dissessem sem subtilezas e da forma mais directa e comprometida do mundo «daria a minha vida por ti. O teu amor é mais importante que tudo»? Acho-a fantástica na sua literalidade, romântica na sua crueza, na sua ausência de subtileza. Tenho pena de nunca ma terem dedicado, esta canção eterna e às vezes, quando a ouço, ainda sonho com aquela festa que já me deviam ter feito há muito e onde eu daria o maior show de dança jamais visto, ao som das minhas músicas preferidas. E quando passassem Can´t Take my Eyes off you, garanto-vos!, eu transformava-me no John Travolta…

Sem comentários: