16/03/05

Conselhos para o bom governo da Nação recuperados do baú maoísta, por Mau Zé Tunga

Tenho à minha frente os dois volumezinhos do Livro Vermelho do Camarada Mao Tse Tung, edição das Publicações "O Operário Vermelho", de 1975. É conveniente lembrar que alguma da nossa nata política se formou com este manualzinho. Há quem diga que o que se aprende na juventude nos marca decisivamente e nunca mais se esquece. Não foi assim há tanto, foi há exactamente 30 anos. A malta de então, que agora anda pelos 50 anos, já andava na universidade e agora anda por aí. Eis o que o camarada Mao sugeria para vibrar o golpe político aos senhores da terra, medidas graduais conforme a gravidade da situação (vol. 1, pp. - 40 - 46):
1. «Controle das contas»: Mao acha que os grandes senhores se «locupletam» frequentemente com os dinheiros públicos. Sugere a criação de comités locais de controle financeiro.
2. «Penas pecuniárias»: O controle das contas leva à descoberta de «desvios de fundos» e «sabotagens», «violações à proibição do jogo das cartas» ou recusa em entregar os «cachimbos de ópio». Como castigo, os comités locais devem aplicar multas que vão desde dezenas aos milhares de yan.
3. «Contribuições em dinheiro»: O método é de uma simplicidade brilhante e consiste em obrigar os «senhores das terras», «gananciosos e cruéis» a contribuirem para o «socorro dos pobres».
4. «Interrogatórios menores»: Quando os comités de camponenses são ofendidos e a ofensa não é considerada grave, o comité dirige-se a casa do ofensor e «fazem um interrogatório não muito cerrado» (sic), até que o homem redija uma confissão onde «se compromete a pôr termo às palavras ou actos difamatórios»
5. «Manifestações»: «Grandes multidões concentram-se para manifestar contra determinado déspota local.» «Os manifestantes irrompem pela casa adentro, abatem-lhe os porcos e tomam-lhe o arroz»
6. «Desfile pelas aldeias com grandes carapuços de papel»: Enfia-se um carapuço de papel na cabeça do «déspota local» com inscrições identificativas. Prende-se o homem por uma corda e arrasta-se pelo meio multidão, tocando gongos e agitando estandartes para atrair as pessoas.
7. «Encarceramento nas prisões distritais»: Mandam-se os déspotas para a cadeia distrital «onde aguardam que o chefe de distrito competente os julgue e condene»
8. «Proscrições»: Mao diz que não é grande método, os camponeses não gostam, preferem prender ou executar os «déspotas locais». Normalmente, os déspotas fogem quando presos, o que é muito desagradável e vai dar ao mesmo que a proscrição. A proscrição tem a vantagem de tornar a vida impossível ao proscrito para onde quer que vá.
9. «Execuções»: A medida está limitada aos mais importantes déspotas mas é de grande «eficácia para extirpar as sobrevivências feudais». Mao recomenda que se execute um déspota em cada distrito como «única via eficaz para eliminar a reacção» e acha que não se pode impedir os camponeses de executar déspotas pois que antigamente eram os déspotas que executavam camponenses e por isso é que são déspotas.

Alguém sabe por onde anda esta gente? Ainda há maoistas? Onde estão?

Sem comentários: