20/04/05

Os Criadores, por Corte e Costura

Um dos fenómenos mais característicos da sociedade portuguesa é a reinvidicação da doutorice. As nossas páginas amarelas são, para um estrangeiro, um verdadeiro mistério, tal a exponencial quantidade de médicos, de dêerres, que por lá abundam. Somos, por isso, pródigos em criar títulos pomposos para designar as funções e as tarefas mais simples. Lembro-me de um curso que havia numa Escola Profissional que se chamava Curso Técnico de Manutenção Rodoviária. Na prática o que faziam os futuros Técnicos de Manutenção Rodoviária? Pois, lavavam os carros, aprendiam a mexer na máquina automática, na mangueira, nos botões que accionavam as escovas e o secador, etc, etc…
E que dizer dos Técnicos de Saúde a Apoio Médico, vulgo, funcionários que transportavam os doentes em macas?

Mas um dos fenómenos mais absurdos a este respeito na sociedade portuguesa, é o dos Criadores. «Criadores» é a designação com que se baptizaram a si próprios os profissionais que à vinte, trinta anos, eram simplesmente costureiros. Agora designam-se a si próprios por «criadores» e a palavra pegou: nas revistas da moda, nos programas fúteis da TV, é-nos dada a conhecer a vida deles. Como é que é? Criadores, o tanas. Criador é o Picasso, o Einstein, o Da Vinci, o Kafka ou os U2…
Vamos conservar alguma propriedade nas palavras sob risco de, qualquer dia, já ninguém se entender acerca de coisa nenhuma. Um indivíduo que se dedica à costura chama-se, isso sim, costureira/o. Não há mal nenhum em ser-se costureiro/a. É uma profissão nobre, obviamente com uma componente criativa, porque é que não procuram reabilitar a palavra – se entendem que é necessário - em vez de, pura e simplesmente, a substituirem por outra inadequada e usurpada, só porque a acham mais pomposa?

É ridiculo o contraste entre a exposição geral da vacuidade mental destes persoangens em contraste com o seu ar pedante e a sua aprência pretenciosa. Geralmente, mal abrem a boca e sai asneira, mania ou presunção (há excepções, claro)… São absurdos aqueles rótulos que colam aos costureiros/as como «genial», «artista», «estilista», etc. Isto são insultos aos verdadeiros génios e aos verdadeiros artistas. Já repararam que neste país os gajos que fazem roupas são conhecidos como «criadores»? Criadores o tanas, são costureiros. Criador era o van Gogh e o Picasso... Não gozem comigo, fónix.

Sem comentários: