17/09/05

Calcanhar de Aquiles, por Cicuta

O que é que uma sociedade democraticamente crescida deve fazer quando um partido, ou melhor, um presidente de um partido ganha umas eleições e não cumpre as suas promessas eleitorais? Óbvio: a seguir não lhe dá o voto. Seria assim numa sociedade normal. Mas em Portugal, onde os partidos são vistos como clubes de futebol de que se é adepto para toda a vida, não se sabe, nuca se sabe.

É isso que se passa neste momento. Sócrates tem fama de ser inflexível na sua acção, mas a verdade é que quando percebe que as causas «populares» fazem o efeito contrário ao pretendido, isto é, que suscitam grande controvérsia social, deixa-as cair ou marinar em lume brando- que se lixe a coerência! Veja-se o que sucedeu com a co-incineração em Coimbra e Setúbal, uma coisa que só lhe interessava do ponto de vista metafórico, como símbolo da sua firmeza e capacidade de decisão. Está tudo na mesma, apesar das promessas inflamadas de Sócrates na campanha eleitoral e dos insultos ao anterior governo nesta matéria…

Ou então a promessa de publicitar as declarações de impostos de todos os contribuintes, um princípio autenticamente medieval: recuou. Agora já só vai publicitar as declarações dos prevaricadores, embora não se perceba porquê, já que à punição aplicada por lei, vai-se acrescentar a punição da publicidade do crime. Mantém-se pois o mesmo princípio medieval da expiação pública do prevaricador. O homem tem nome de grego, mas pensa como moralista medieval. Porque é que não se carimbam também os ex-presidiários? Assim, para além da pena que cumpriam, ficavam a pagar durante muito mais tempo aos olhos de todos. Bem feito!

Eu não acredito neste homem e não é só agora que é primeiro-ministro. Sempre me repugnou, detesto-lhe o estilo, a vacuidade e o marketing barato. Achei que era mentira quando ouvi os primeiros rumores de que ia ser o sucessor de Guterres: foi. E vi, com estupefacção, que este personagem pequeno ainda ia chegar a primeiro-ministro, aproveitando o desespero causado pelo efeito santana. É o pior primeiro ministro deste país desde o 25 de Abril e, ainda por cima, conta com o apoio inestimável de um presidente da república que foi hiper-rigoroso com o governo anterior e que agora tudo permite.

Porque é que ele, tão ligado à cultura Grega pelo nome e, ainda recentemente, pela sua inestimável colaboração na implosão das torres de Tróia (até houve quem lhe chamasse o Cavalo de Tróia) não nos faz um favor e não se implode também? Politicamente, claro, quero lá agora que o homem se desfaça…

Sem comentários: