22/02/06

Messi no Circo de Stanford Bridge, por Gabriel

Acabei de ver na TV o melhor jogo de futebol do ano: o Chelsea-Barcelona. Foi um jogo com moral, com um happy end e nós sabemos que no futebol isso nem sempre acontece. De um lado os «artistas» - o Barça de Ronaldinho, de Deco, de Etoo, de Edmilson e do fantástico menino prodígio de apenas 19 anos, Leo Messi, o melhor futebolista argentino que vi jogar depois de Maradona. No banco um treinador sereno, que arma a equipa para jogar futebol e para dar espectáculo: Frank Rijjkard.

Do outro, onze blocos graníticos, grandes, imensos, fortes, ferozes, caceteiros, todos lá atrás e a correrem que nem desalmados. No banco um dos maiores teóricos de todos os tempos do futebol anti-jogo, do futebol manhoso, da arrogância, da má educação: mourinho, um admirador confesso, imagine-se, do «inteligente» futebol italiano…

O barça dominou o jogo por completo, aquilo chegou a parecer tauromaquia com os bandarilheiros Messi e Ronaldinho a pararem, a ajoelharem, a gozarem e os os miuras do Chelsea com medo de meterem o pé, não fossem ficar sentados, como aconteceu frequentemente.

O Chelsea chegou a estar a ganhar, o que seria mais uma injustiça daquelas em que o futebol é fértil. Felizmente a classe do Barça veio ao de cima e os blocos de granito azuis acabaram bandarilhados, com dois golos no pelo e o público catalão a gritar Olés em Stanford Bridge. Um mimo!

Agora esperemos pela segunda mão em Camp Nou com mais uma certeza: estamos perante mais um capítulo do mesmo jogo eterno entre as duas velhas escolas do futebol. Os representantes do futebol espectáculo, o grupo de artistas que joga a bola com o prazer dos putos de rua e o futebol eficácia feito por onze pedras de granito, disciplinadas e compactas que estão ali como estavam os guardas SS em Awschwitz: para foder os outros! É desnecessário dizer por quem é que eu torço: i love this game, ou melhor, me gusta este juego!

P.S. O Tapornumporco pede desde já desculpa antecipada por algum erro gramatical cometido no original espanhol.

Sem comentários: