06/03/06

Michael Nyman, por Xeko

Não será do conhecimento de todos, mesmo daqueles que nutrem um gosto particular pela música contemporânea, de raiz clássica. Mas quem já teve o ensejo de o ver e ouvir, ao vivo, não poderá deixar de lamentar o silêncio, em que não o sentiu. Como compositor, director de orquestra e pianista.

É um compositor eclético, na procura de novas sonoridades, um transgressor na forma como as interpreta.

O seu público amplo e heterogéneo não esquecerá, no vasto reportório disponível, o protagonismo da sua música, no filme "The Piano, de Jane Campion.
Mas Nyman é bem mais do que isto. A sua relação com Peter Greenaway é única, no seu diálogo com a orquestra, na mistura dos instrumentos de épocas diferentes, no espaço que ocupa. Não ouvi, até agora, nada que se lhe compare, no género, em termos de criatividade e compromisso estético.

Com "The Piano Sings", que será revelado em Ponta Delgada, Famalicão, Alcobaça e Portalegre, Nyman surge só, embora com um som mais íntimo e despojado, em tudo semelhante ao que mostrou no Convento de S. Francisco.

Assim como Ada, interpretada por Holly Hunter, usava o piano, exprimindo aquilo que sentia, também Nyman se mostra através dele. O estilo de interpretação perdura, agora que criou a "MN Records".

É o que irei sentir, em completo êxtase, mesmo sem a Michael Nyman Band.

http://www.michaelnyman.com/
http://www.mnrecords.com/

Sem comentários: