19/04/06

Um Gajo Perigoso, por Sibarita

Eu já conhecia um espécime semelhante, mas julgava que era exemplar único. Contudo, há dias conheci um segundo animal da mesma família. Falo daqueles gajos que quando que lhes passa a hora da mastigação e não metem nada lá para dentro, ficam possuídos pelo demo. Até lhes falta o ar. Parece coisa má.

O Grão-Mestre aqui do porco, o Vice-Mestre e o Contra-Mestre foram de golf um dia destes para a Curia. Início por volta das 12 horas, salta-se o almoço e duas voltinhas catitas até às 17.30 horas. Banhos despachados, impunha-se o habitual: íscas de leitão e arroz de línguas de bacalhau no Painel, logo ali ao lado.

- Mas que diabo, sempre Painel, sempre Painel, ó pá e se a gente fosse ao Rafael a Bustos. Tem a Sopa da Avó e um cabrito de comer e chorar por mais.
- Seja, Grão!, manda o Vice.
- Que não grita o Contra, tou cheio de fome, daqui num saio, quero comer e é já.
- Ó pá tem lá calma, é só um saltinho e é ali em cima.

E lá fomos pró Rafael de Bustos. Passado Mogofores e junto a São Lourenço alvitro com a visita estradal das vinhas do Campolargo que era só um desviozinho rápido e valia a pena. Adiante, amanda o Vice. Plo amor de Deus grita o Contra, mas isso come-se? Deixem-se dessas merdas, eu quero é comer.

- Tem lá calma, pá, olha ali aquelas adegas modernaças, olha o pinhal a dobrar a encosta…,
- Eu quero que sa fodam as adegas, puta que pariu os pinhais, eu quero é comer, caralho!

- Ó pá, ó Grão olha que ali o Jardel atrás, tá um bocado pró agitado…
- Ó pá, a fome é negra, daqui a pouco já chegamos ao Rafael, são só mais 10 km…
- 10 Km?, pó caralho, pó caralho, cabrões! – grita no banco detrás o Jardel, aliás, o Contra, que gesticula, salta e espuma.
- Tá sossegado, pá, dás-me cabo do carro!

Dez minutos depois tamos no Rafael. Fechado. Dia de descanso. Galo do catano. Nunca mais houve um minuto de silêncio no carro. O Jardel espojava-se e batia com a cabeça:
- É já pró Painel, paneleiros, cabrões de merda, chulos…

- Uma língua porquita, ali o Jardel atrás ó Vice…,
- O gajo parece um macaco enjaulado, ó Grão, tranca-lhe as portas que o bicho foge!
- Pó caralho cabrões de merda, deixem de marrar como se eu cá não estivesse, foda-se! Vão chamar Jardel ó caralho!
- Ó Grão, o Jardel é gajo para estar a ficar chateado, o melhor é ir comer depressa ó Queiroz, ali em Avelãs de Caminha.
- Queiroz, um pisso, é pró Painel e é já – berra o Jardel.
- Porra pá, tá em caminho e come-se bem no Queiroz. Siga pra Avelãs.

20 minutos depois, Avelãs de Caminha, Casa Queiroz. Fechado. Dia de descanso. À cautela não damos tempo de reacção ao Jardel e tento virar o carro para Aguada de Cima. – Se num há Queiroz, vamos ao Vidal que é já ali em Aguada de Cima, Jardel. Aguenta aí que são só mais 10 minutos…

O Jardel vocifera, espuma e salta, agarra-se à porta e parece possuído pela besta apocalíptica. Falta-lhe o ar. À cautela e em emergência hospitalar vamos de urgência ao Pompeu, logo ali a seguir. A fúria do Jardel jamais daria para chegar ao Painel. Tá aberto. Come-se bem e barato. Arroz de Miúdos, Chanfana de Galo e Bacalhau à Lagareiro. Estômago composto, o Jardel acalma e a conversa é interessante. Alimentado, o Jardel relaxa e é brilhante. Ainda afinfo que na próxima vamos ver as vinhas do Luís Pato, mas um garfo apontado ao nariz aconselha-me a não ir por ali…

Sem comentários: