19/08/06

Brasil VS Argentina, por Nescau

Tanto faz onde estamos desde que seja no Brasil. Nas praias – todas -, no campo ou na cidade, até no interior de uma reserva de índios, há sempre um campo de futebol improvisado e duas equipas que se defrontam até à exaustão. Normalmente descalças.

E assim foi um destes dias na Praia do Francês, Maceió, estado de Alagoas. Quando chegámos, nós os portugueses, à praia já lá estava um time brasileiro que nos desafiou para um internacional Portugal/Brasil na areia da praia. O jogo correu bem, tirando o facto de termos passado 90% do tempo de jogo a correr atrás da bola que o time deles fazia circular com perícia. O resultado também podia ter sido pior: perdemos 3-0 e vingámo-nos nas canelas dos moleques que não se preocuparam muito com isso.

No fim do jogo fomos todos ao mar, mas a molecada advertiu-nos para os seguirmos uma vez que as águas mais próxima estavam infestadas de ouriços do mar. Entre conversas futeboleiras sobre o Flipão, perguntei ao Leandro, guri bom de bola, se faziam aqueles jogos de praia com outros estrangeiros para além dos portugueses.
- Sim. Com italianos, argentinos…
- E como é que é? Correm bem?
- Com os argentinos não. Há sempre briga…
- Mas vocês não gostam dos argentinos, cara? Não são como os portugueses?
- Ná. Português é legal, fala com a gente. Argentino é distante, pensam que são superiores e dão porrada. Aí a gente responde. Mas eles lixam-se porque não os avisamos e no fim eles vão tomar banho ao sítio do ouriço do mar. Aí eles berra e pede-nos ajuda.
-Vocês são mauzinhos. E ajudam?
- Ajudar, nós ajuda. Nós tira o espinho do pé deles, mas é a doer, a gente fica ali a mexer com uma agulha e eles berra. O Leandro dizia isto com um sorriso feliz.
- Vocês não gramam mesmo os argentinos, né mesmo Leandro?
- É. Às vezes o espinho já saiu e, mesmo assim, a gente fica ali a escarafunchar na ferida a abrir ela ainda mais. A gente vinga-se dos cara, pá, argentino só se não puder.
É. Brasil-1/ Argentina – 0.

Sem comentários: