20/09/06

Redacção Nacional por Amor da Pátria, por Cão

A gente ama o nosso país
O nosso país suporta-nos
O litoral refrigera a demora
A serra oblitera a hora
E isto está bem assim

Nenhum de nós vai muito a Lisboa
Nas aldeias do Norte há caçadeiras
Velhas preservativam chouriças
Padres escrevem boletins
Macacos comem amendoins

E isto está bem assim

Eu amo a nossa gente o país nosso
Sou fraco de carnes e débil de osso
Ouço aqui repito ali
Ser culto é ser possesso

Raparigas de trincadeira parreiram à sombra
Rapazes delicodoces amargam caramelos
O inverno não é frio e no estio
Os dias torram lânguidos e belos

E é assim que isto está bem

Eu por acaso tenho ainda mãe
Avós não mas esses
São mesmo p’ra perder sem dar luta
Não os ter é ser quase filho-da-puta
A gente ama os nossos avós

Também os nossos defuntos defumamos
Insensatos incensos incensamos
Magnos mognos lhes dedicamos
E é pelos mortos sonhos que vamos

É ou não é ó Sebastião da Gama
Poeta que a gente também ama?

Se isto não estiver bem assim
Vou ali a Espanha e só volto se for doidinho.

(foto de Henri Cartier-Bresson)

Sem comentários: