19/10/08

O Hino, por Chino

Um dia destes o circo da bola veio a Braga. A selecção de todos nós, jogou com a Abânia e eu fui lá ver. Tive mais uma vez a oportunidade de me irritar sinceramente com uma das coisas mais idiotas que se podem ver em jogos de futebol: o momento em que toca o hino da Pátria e as pessoas se metem todas de pé, muito hirtas, uns até com a mão esquerda no coração, como se estivesse mesmo em causa a Honra da Nação. Mas não se convencem que vão ver um simples jogo de futebol e que não, aquilo não é uma questão de vida, nem de morte, nem de Pátria? É ridículo ver a multidão de velhos, novos, homens, mulheres e crianças a cantarem aos berros «às armas, às armas, contra os canhões, marchar, marchar»… Como é que é? Às armas? Marchar, marchar? A maior parte daquela gente, se realmente algum canhão se levantasse contra eles, tratava era de dar ao slide.
Por isso quando começa este momento de patetice colectiva, eu, simplesmente, recosto-me na cadeira e fico ali com ar de gozo, não sei se triste se alegre, a ver aqueles palermas todos a arrepiarem-se de bacoco orgulho pátrio. E há sempre um ou dois que me olham de lado para confirmar se eu sou mesmo português ou do outro lado dos canhões…
Ah, a propósito, empatámos zero a zero com Albânia.

7 comentários:

Anónimo disse...

No Stade De France a comunidade de ascendência magrebina assobiou e vaiou em bloco a Marselhesa. Em consequência o Governo Francês decretou que quando tal se voltar a repetir não há jogo pra ninguém.

Portanto, tu vê lá se te levantas e cantas!


ass: Porco&Mundo

Anónimo disse...

Ora aí está, caro Porco Imundo. Os hinos, especialmente os hinos belico como o noso que é especialmente bélico dentro da categoria, dão para essas coisas. São acicatadores da estupidez nacionalista e às vezes dá para o torto, como é o caso do episódio franciú. Neste caso há ainda a particularidade do hino ter servido como catalizador da tensão entre magrebinos/franceses. Como dise o ministro dos negócios estrangeiros da frança o problema só se re~solve de uma maneira: não fazendo mais jogos particuares com marrocos, argélia e tunísia. E assim ja não se asobia a marselhesa.
Infante da Pátria

Anónimo disse...

a diferença é que os franceses defendem o que têm e cultivam o amor próprio e nós desprezamos tudo o que temos e só sabemos dizer mal do nós próprios, por isso não passamos da cepa torta. Na visão do postador não vale a pena fazer uma boa lampreia ou chanfana, ou mesmo defender o queijo da serra, basta comer pizzas e queijo flamengo. Tanta garganta para viver à custa dos fundos comunitários... e fazer disto um país nada.

britannicus disse...

Um rapaz português,bom rapaz, escreveu uma canção belíssima sobre os hinos, os hinólogos e os seus coristas . Ora uma canção, por definição, é a antítese de um hino, mas eu proponho esta para ser entoada antes dos jogos de futebol.

Os hinos são frutos perversos
crescendo no ramo dos versos
roubando o vento e a luz à folha
os hinos cegam quem os olha

Adoradores do sangue, sempre
os hinos bebem quem os cumpre
quantos sentidos tem a palavra
que o hino tomou por escrava

Beijou-me bem, matou-se a esmo
e o hino é sempre o mesmo
sempre o mesmo
beijou-se forte, matou-se feio
e o hino sempre de permeio

Choro por mim aos pés da forca
e o hino fala-me da dor que há
maior que a minha, melhor que a vida
e a morte vem despercebida

E se houver quem desta paz se farte
irmãos, irmãos, hinos à parte
lá vêm músicos, lá vêm letristas
divulgarão novas conquistas

Beijou-me bem, matou-se a esmo
e o hino é sempre o mesmo
sempre o mesmo
beijou-se forte, matou-se feio
e o hino sempre de permeio

Se cada igreja tem seu sino
se cada pátria tem seu hino
que fazem dentro das sepulturas
versos e sons e partituras?

Épicos de todo o mundo, uni-vos
fazei dos hinos pregões vivos
fazei dos hinos perdões aceites
em cama onde não durmas não te deites

Beijou-me bem, matou-se a esmo
e o hino é sempre o mesmo
sempre o mesmo
beijou-se forte, matou-se feio
e o hino sempre de permeio

Sérgio Godinho

britannicus disse...

Já agora, eu, o britannicus,proponho a canção Old England dos Waterboys para ser entoada antes dos jogos da selecção inglesa.Ou talvez, deixem ver...mmm...mmm!... Há, já sei, The Queen Is Dead dos sempiternos Smiths (God Save Morrissey!)

«Past the Pub who saps your body
And the church who'll snatch your money
The Queen is dead, boys
And it's so lonely on a limb
Past the Pub that wrecks your body
And the church - all they want is your money
The Queen is dead, boys
And it's so lonely on a limb»

The Queen Is Dead

britannicus disse...

Já agora, eu, o britannicus,proponho a canção Old England dos Waterboys para ser entoada antes dos jogos da selecção inglesa.Ou talvez, deixem ver...mmm...mmm!... Há, já sei, The Queen Is Dead dos sempiternos Smiths (God Save Morrissey!)

«Past the Pub who saps your body
And the church who'll snatch your money
The Queen is dead, boys
And it's so lonely on a limb
Past the Pub that wrecks your body
And the church - all they want is your money
The Queen is dead, boys
And it's so lonely on a limb»

The Queen Is Dead

Anónimo disse...

Ou o This is England dos Clash, Brit. Conta com a interpretação das claques de hooligans e tudo.
O Choque