26/09/08

Clássicos do Porco: Tratado Taurino, por Mestre Baptista



Hoje precisei de ir à 14ª Repartição de Finanças de Braga, ver um artigo da matriz fiscal em nome de um cliente.
Estacionei, e fui de fisco.

Às 14 horas e 3 minutos, dei entrada nas Finanças e dirigi-me para o balcão da Matriz.
Bicha. Enorme.
À minha frente, era só samarras e flanelas, pelo que os 15 contribuintes, digo, 15 brutos, que se me adiantavam faziam desde logo adivinhar, que me queriam fazer perder a manhã toda.
Linde, pensei logo. Vai haver Tourada.

Pra quem não saiba, o Toiro é sempre o bicho que exerce o seu poder de imperium, atrás do balcão. Toiro de Balcão, portantos.
Por seu lado e ao contrário de outras espécies, que só se divertem nos bares e discotecas, o Advogado é uma espécie que também se diverte nestes sítios onde há Toiros. Uma Repartição de Finanças com bichas, dá mais pica a uma Advogado, do que o supremo gozo de conseguir condenar um inocente ou absolver um culpado. As Conservatórias também são boas, mas esses cabrões levam tanto e todos os dias, que na sua maioria, já estão vacinados e permanecem indiferentes e a ruminar, perante o toureiro. E aí, o aficionado não gosta, e apupa. Mas nas Finanças não, os gajos são em geral Toiros de Balcão Virgens, porque normalmente as pessoas batem a bola baixa nas Finanças, não reclamam, nem marram. Afinal, sempre se trata dp fisco, dos gajos que meteram o Al Capone dentro e se um gajo levanta muita garimpa com o Imposto de Dez, os cabrões armam-se em garimpeiros e descobrem que devemos mais Dois Impostos de Vinte.
Adiante.

Perante a arena e os Toiros, a pessoa ou amocha e aguenta ou lida a toirama. Se opta por lidar os Toiros, tem três tipos de lide à sua escolha.

O primeiro tipo de lide, é a Lide de Aficionado.
Na Lide de Aficionado, este não entra na arena e nem entra na lide própriamente dita, provoca-a, mas não se expõe. À partida, esta posição de Aficionado, é a que dá mais gozo e mais pica. Demora é muito tempo e aí reside a sua desvantagem.

Na Lide de Aficionado, o toureio faz-se da seguinte maneira. A pessoa coloca-se na bicha, aguenta 5 minutos pra ganhar legitimidade e começa a resmungar. Aos 10 minutos, começa a mexer-se, incomodado. O resmungar e o mexer-se, levam a atrair a atenção da bicha pró Aficionado.
Quando capta a atenção da Bicha, o Aficionado passa então para o passo seguinte, que se traduz em desencadear a ira da Bicha contra o Toiro, picando-a. O bichedo contribuinte é manso, mas se for picado, marra, e se for bem picado por uma aficción bem feita, até investe!
Para o picanço, podem-se usar palavras muito diferentes, de caso para caso, mas no Toiro das Finanças, estas são as mais usuais: "Isto é inadmissível, está-se aqui há meia hora e atendem uma pessoa ou duas!", "A gente vem pagar impostos e é isto que apanha", "Pelo andar da carruagem nem de tarde daqui saímos". Isto é dito baixinho e só pró bichedo.
Se repararam, acentuou-se o destino colectivo, mau, e provocou-se a indignação do bichedo, que nesta altura começa também a resmungar e a mexer-se. Se a coisa for bem feita, o Toiro do lado de lá do balcão, nem sequer se apercebe de quem desencadeou a lide.

Acendido o rastilho, o Aficionado deve dar mais um empurrão antes da retirada estratégica e confortável. Assim quando o Bichedo está aceso, deve-se atiçar a fogueira com a segunda fase: "Só um funcionário para atender tanta gente, e os outros todos que estão ali atrás sentados?", "E o chefe não vê isto?", "Só vêm e resolvem quando a bicha chegar à porta ou alguém partir tudo!"

Se bem repararam, nunca houve palavras ofensivas e indicou-se à turba o caminho a seguir na estampida, rematando-se com o incentivo final.

Nesta fase, já dois ou três samarras e quatro ou cinco flanelas, tomaram as rédeas do bichedo e já desataram no tradicional: "malandros", "se eu mandasse é que era", "é tudo uma comunistagem", "não fazem nenhum", "antigamente não faziam isto, ora se faziam", etc, etc.

Perante isto, o Toiro de Balcão investe e marra no bichedo. É a sua primeira e primária reacção e é sempre a sua perdição, porque a um bichedo perdido ninguém acha, e estes, porque nem achados, nem rogados, partem para a fase final de puro delirio niilista e desembestamento, com os consequentes: "era só à metralhadora", "chupam o sangue todo ao povo", "gatunos", "ladrões", "cabrões", "filhos da puta", etc, etc.

Nesta fase, o Toiro de Balcão vê que não aguenta a turba e chama o Toiro Chefe de Repartição.

A toirada está montada e resta ao Aficionado apreciar e gozar a obra feita.


Como já se disse, a Lide de Aficionado, é a que dá mais gozo, mas é muito demorada.
Foi usada por exemplo e com sucesso diga-se, nas bichas da Galp da prós bilhetes dos Stones, pelo Xiita, esse grande cultor da Aficionado, que só peca por não a aplicar nos tascos, onde come tudo o que lhe metem na manjedoura.
Nos meils confradais, tal forma de lide é usada amiúde também, com grande destaque e proveito, para o Manolete


Não tendo tempo para perder, a pessoa não se pode dar ao luxo de fazer uma lide de Aficionado, que por natureza é demorada. Se não se tem tempo, então tem que se descer à Arena, assumindo então a segunda alternativa. Isto é, passa a Toureiro, fazendo a chamada lide directa.

No caso em concreto, de hoje, apesar da abundância de samarras e flanelas, bichedo sempre pronto a ser lidado de aficción, estava com pressa e optei pela lide de Toureiro.

Quando a pessoa assume a alternativa Toureiro, e vai pela lide directa, tem ainda duas hipóteses, como resulta do senso comum, ou faz uma Pega de Caras, ou faz uma Pega de Sernelha.

Na Pega de Caras, o Toureiro aguenta um máximo de Dez minutos de Bicha (pra ganhar legitimidade) e logo após, sai do seu lugar na Bicha e avança pró Toiro de Balcão, enquanto olha de lado e em geral o Bichedo, para que este saiba que vai haver merda e que não se trata de um paspalho a tentar furar a bicha. Atenção que, se não tiver este cuidado, de olhar e controlar o bichedo, fazendo-o ver que vai haver marranço, de molde a provocar a simpatia deste, o Bichedo é bicho para marrar por detrás, o que é de longe, a coisa pior que pode acontecer, porque o Toiro de Balcão aproveita e marra também. Mas fazendo-se esse olhar e controle, o Bichedo adivinha a merda e adivinhando que vai haver merda, o Bichedo deixa sempre passar à frente.
E vai-se directo ao Toiro. Fazemo-nos brutos e em bruto, à marrada. Com força e cagança. O Toureiro levanta a voz, indigna-se, berra e espaventalha. É dono da razão, ou não fosse a força da sua convicção. Ao mesmo tempo que afronta o Toiro, o Toureiro diz o que quer. Ao mesmo tempo que marra, o Toureiro deve sempre lançar olhares de cumplicidade pró Bichedo, de molde a fazê-los ver que está ali a marrar por eles também.
Como em regra, o Toiro de Balcão é um cornupto manso, a lide frontal rouba-lhe o ímpeto e o impérium e isso leva-o a deixar-se pegar e a resolver rápidamente o problema do Toureiro, de imediato e à frente do Bichedo, que depois lá fica a marrar com o Toiro de Balcão.

Esta lide frontal permite resolver o problema com rapidez, embora dê pouco gozo e no caso de se encontrar um Toiro mais duro, ou maduro, tal lide, poderá mesmo conduzir a maus resultados.

Este tipo de lide, costuma ser usada por exemplo, e também com sucesso diga-se, nas perseguições fiscais do Pilas, que ataca de frente e de peito feito todo o Toiro fiscal que lhe aparece à frente.
Nos meils confradais, tal forma de lide frontal e brutal, é sobretudo usada pelo Animal.


Voltando ao caso concreto, e como já conhecia o Toiro em questão e sabia que o Bicho era tudo menos manso, optei pela PEGA DE SERNELHA, que passo a explicar e a relatar.

Ao contrário do que possa parecer a Pega de Sernelha, é das lides mais difíceis de fazer.

O Toureiro além de ser incisivo, tem que obter a cumplicidade do Bichedo e não pode ficar cá atrás, tem que ir prós cornos do Toiro, embora nunca em posição frontal, mas lateral, sempre educadamente, de flanco e sem se expor demasiado.

Este tipo de pega, não sendo tão rápida como a de Caras, dá muito mais gozo que a de Caras, quase tanto como a de Aficionado e permite resolver sempre o assunto de forma mais rápida que a de Aficionado, sendo que por sua vez e como característica própria e sua, tem a vantagem de permitir que o Toiro seja lidado de Sernelha, tantas vezes quanto as que forem precisas, coisa que a de Caras não permite, porque nessa ou o Toiro se parte todo ou fica queimado e jamais voltará à lide. Na de Sernelha não, o Toiro deixa-se lidar sempre e vem sempre à lide. Melhor ainda, se a pega de Sernelha for bem feita, o Toiro nem sequer se apercebe de que foi lidado.

Assim deixei-me estar 10 minutos na bicha, ainda e sempre para ganhar legitimidade e autoridade moral. Aos 10 minutos comecei a resmungar baixinho e a mexer-me incomodado. E isto tudo feito, sem que o Toiro se apercebesse. Só o Bichedo de flanela e de samarra, é que se apercebeu, no que me deu de imediato a sua cumplicidade total.

Aos 15 minutos, obtida a aprovação do Bichedo, saí da fila e dirigi-me ao Toiro. Com jeitinho.
-Isto não pode ser, ó Sr. Silveira, (este é um nome ficticio, que eu não quero problemas com o Sr. Pereira), estou aqui há quinze minutos e o Sr. só pôde atender (reparem no "pôde", neste tipo de pega é essencial não afrontar o Toiro) uma pessoa, o Sr. não pode estar sózinho, tem que chamar outro colega pró ajudar, eu e estas pessoas todas não podemos e estar aqui a tarde toda!"

Apesar de toda a cortesia, o Toiro reagiu mal como tantas vezes acontece, e procurou marrar de frente. É nesta altura que o Toiro se perde. Porque se o lidador está de Sernelha, jamais o Toiro, de per si, pode mudar a coisa pra Pega de Caras. Só muda pra lide de Caras, se o Toureiro deixar.

-Ó SrDr desculpe lá mas não me pode interromper, que estou a atender uma pessoa!
-Ó Sr. Silveira, desculpe lá interromper, mas não tenho outro remédio, como lhe disse, o Sr. sózinho jamais conseguirá atender esta bicha toda em tempo razoável e não é justo que as Finanças nos exijam tempos de bicha sem fim à vista.

O bichedo picado já começava a levantar a voz, e o Silveira, rato, viu que assim não se safava da carraça, e vai daí:

-Ó SrDr pode ter muita razão, mas isso só com o Chefe de Repartição, que eu sózinho não mando nada.
-Então, o Sr Silveira faça-me o favor de chamar o Chefe de Repartição.
-Eu daqui não posso sair, não posso parar o atendimento.
-Ó Sr. Silveira, não lhe custa nada dar um saltinho lá dentro e agradecia-lhe que não me obrigasse a ficar aqui a insistir (em voz alta e virado pró bichedo) ou a pedir o Livrinho de Reclamações (em surdina e só pra ele).

Cá atrás, o Bichedo já berra. "-Isto é uma pouca vergonha", "Não há direito, fazem o que querem", "Só a tiro".

O Silveira adivinhando a fase seguinte, vai chamar o Chefe.
O Silveira desaparece durante 10 minutos e volta com o Chefe.

O Chefe dos Toiros de Balcão, pergunta qual é o problema, com aquele ar afectado de inglês constipado, a pedir meças a quem o obrigou a incomodar-se.

-O Sr. é que é o Chefe de Repartição?
-Sou, e já lhe perguntei qual era o problema.
-Olhe, é o seguinte, eu estou aqui na bicha à meia hora, e muita desta gente (e volto-me para trás e levanto a voz) até está aqui há mais tempo, e há um único funcionário a atender este sector, ora como demorou meia hora a atender a primeira pesoa, teremos que estar aqui todos até ao fim do dia, e no meu caso eu apenas quero ver um artigo da matriz.

O Toiro Chefe, que viu entretanto o cachucho rubi de imitação, no dedo segundo da talocha esquerda, adianta:

-Mas ó Sr Dr, o Dr passa já à frente e é atendido já.
-Mas eu não quero passar à frente de ninguém (em voz alta e voltando-me para trás).
-Mas como advogado, o Sr Dr tem o privilégio de ser atendido em primeiro, ó Silveira...
-Ó Sr Chefe, (voltando-me prós flanelas e samarras e em voz alta) mas eu estou aqui a falar consigo como contribuinte normal e não quero afrontar estas pessoas que esperam há mais tempo do que eu, e eu tendo esse privilégio não o quer exercer.

A turba aplaude. Se lhes pedisse as filhas naquele momento, davam-mas de certeza.

-Mas é que eu não tenho mais ninguém prá aí meter, ó Sr Dr.
-Ó Sr Chefe, o Chefe de Repartição é o Sr, o Sr é que sabe como deve ser. A nós (virado prá bicha) só nos compete ver que a coisa não está bem e tem que ser corrigida.

O Bichedo delira e espoja-se de gozo. Eu tamém, mas só pra dentro que o toureio é uma arte solitária.

O Chefe, contrariado, vira-se pra trás e chama um bigodaças alto e fininho funcionário, que se atafulhava atrás de uma secretária próxima.

-Ó NãoSeiQuê, vem aqui atender a autárquica.
-Eu não posso, estou aqui a fazer o serviço xptoyzx,
e enterra de imediato e ainda mais, as fuças nos maços de papel, num desrespeito incrível pelo Chefe dos Toiros e numa demonstração clara de que a arte da Pega de Caras, também tem cultores do lado de lá do balcão.

Em desespero de causa, o Chefe agarra o braço de uma avantajada gorda de buço à groucho marx que passava ali,

-Ó NãoSeiQuê, atende aqui as pessoas da Autárquica.

Azar. Outra adepta da Pega de Caras. Vira uma cara de tanque de guerra pró Chefe, num misto de desafio e levas-me uma qaté voas, e vai de lhe virar o cú, descomunal por sinal.

Tanta desfaçatez junta e pública da parte dos inferiores, quebrou o Chefe por completo. O Toiro foi vergado e caíu. Baixou os ombros, põe-se ao lado do Sr Pereira a atender ao balcão, e humilde, diz:

-Ó Sr Dr, então diga lá que artigo é, que eu vou buscar.
-Ó Sr Chefe, assim não, tamém não quero isso, se vai abrir a secção de autárquica em separado, tenho que perguntar aqui atrás se há alguém à minha frente para a autárquica.

Dito e feito, sem dar tempo ao Toiro que ficou de boca aberta.
Azar de novo. Definitivamente não era o dia do Chefe dos Toiros.
Havia de facto alguém que se chegou à frente.
E eu dei-lhe passagem. O Chefe abriu a boca pra dizer algo, mas faltou-lhe a voz, enquanto lhe passavam pela cara todos os tons possíveis de vermilhidão humana. Atendeu o flanela. E depois atendeu-me a mim. Fodido de todo. Se o olhar fulminasse eu caía logo ali.

-Ó Sr Dr, então diga lá que artigo é, que eu vou buscar.
-5000, urbano de Santa Eufémia, Sr Chefe.
-Está no seu nome?

Mau, era o cabrão a tentar escoicear, tás bem fodido estás, pensei eu.

-Não, está no nome de outra pessoa.
-Atão não posso ir buscar, que há reserva e segredo fiscal e só os próprios é que podem consultar a matriz.
-E os advogados.
-Sim, mas o Sr Dr está aqui como contribuinte normal, logo não pode ver a matriz.
-Tem toda a razão, só que isso era há bocado, para resolver o problema da bicha, agora que chegou a minha vez, estou aqui como advogado e quero ver a matriz e para que não haja dúvidas exibo já a minha cédula.
-Podia ter exibido há bocado...
-Há bocado era como contribuinte...
-Eu vou buscar...

Manso, mansinho, lá foi o Toiro buscar a matriz. Mal vi aquela merda, saí prá rua de enfiada e andei o resto da tarde com um sorriso à Manuela Moura Guedes.


AVISO: Por favor não tentem isto em casa ou na vossa Repartição. Este tipo de lide fiscal é feito por profissionais treinados e sua feitura por pessoas impreparadas pode conduzir a que se aleije seriamente.

6 comentários:

Anónimo disse...

genial!


anónimo mascarilha

Diogo disse...

Virando o Cu digo "MAI NADA!!"

Cão disse...

espectáculo de post. esgalhei-me a rir.

Mangas disse...

Simplesmente brilhante! Os anos passam, mas encontro sempre aqui um espojamento e gargalhada igual à da primeira vez k o li. O(s) Tratados) são o best of de sempre do porco.

Anónimo disse...

Merdoso! Inundas a net com lixo!!!! Como é que inuteis como tu perdem tanto tempo a escrever coisas de merda em blogues mediocres!!!!! Não se tocam! É preciso ter muita pobreza de espírito!!!Cernelha é com C e não com S, ignorante!!!!! Fecha esse blogue de merda a bem do idima pátrio!

Valente disse...

Impecável! Muito bom! Dos melhores que li aqui no tapor! Espero que postem outros classicos!