09/01/09

Viva o Magalhães, por Fã do Magalhães

Andaram por aí umas vozes porcinas, antigamente, a malhar no Magalhães, o computador portátil do povo lançado pelo Nosso Primeiro com grande pompa. Que era copiado, que não é bem português, que a Intel não sei quantos, que isto e aquilo e aqueloutro, disseram os amargurados dos costume, neste blog e um pouco por toda a parte.

Ora se há exemplo de sucesso a realçar neste país, o Magalhães deve ser justamente um deles, e se o Nosso Primeiro não insistisse na estupidez do TGV até poderia eventualmente contar com o meu voto só por causa deste grande ovo de colombo informático, que já está a começar a conquistar o mundo.

Português ou não, o facto e que a engenhoca é cá produzida e é de cá exportada, e as exportações dirigem-se sobretudo para países em vias desenvolvimento, mercado estratégico e acertado para o pequeno portátil português. Que é simples, é barato, é útil, é inspirador e dá milhões.Viva o Magalhães!

Nesta retórica geral estridente de crise e drama, também é terapêutico realçar boas notícias:

«Venda de "Magalhães" à Líbia prestes a ser fechada, Equador também interessado

O acordo para a venda de computadores "Magalhães" para a Líbia deverá ser fechado "a qualquer momento", disse hoje o administrador da JP Sá Couto, adiantando que as negociações com o Equador estão também numa fase avançada.

"O acordo com a Líbia pode ser fechado a qualquer momento", referiu o administrador da empresa que produz o "Magalhães", João Paulo Sá Couto, referindo que poderão ser vendidos "entre um a dois milhões" de computadores.

À lista de 11 países interessados no portátil juntou-se também o Equador, disse hoje João Paulo Sá Couto, escusando-se a avançar números para a nova encomenda, mas referindo que as negociações, que estão "bastante avançadas" e poderão estar concluídas "dentro de dois a três meses".

Em Outubro, o administrador JP Sá Couto afirmou que a empresa de Matosinhos estava a desenvolver contactos com 11 países para a exportação do portátil - Moçambique, Angola, Líbia, Argentina, Emirados Árabes Unidos, Bélgica, Luxemburgo, Hungria, Roménia, Macau e Cabo Verde - estando Angola e Líbia na linha da frente das negociações.

A Venezuela já comprou um milhão de "Magalhães", que serão distribuídos gratuitamente nas escolas do país.»

Lido hoje em Ciência Hoje

31 comentários:

Anónimo disse...

O Magalhães é uma vigarice. O Magalhães é uma vergonha. E devia haver uma norma aqui no Porco que proibisse o magalhães.

1º- A empresa que o produz tem um processo fiscal por milhões de euros. Por todo o lado e por poucas centenas de euros há familias penhoradas pelo fisco e há empresas que devem 10 ao fisco e estão há anos à espera de receberem 10.000 e não podem concorrer a novos concursos porque não pagam ao fisco. Mais uma vigaricezinha à la sócrates.

2º- É falso que o computador seja português ou sequer o software. O único valor acrescentado português é a armação de plástico (somos bons e baratos nos plásticos) e a montagem. A maior parte do valor de vendas daquela merdunça vai directo pró estrangeiro para a Intel, Microsoft, Cisco, etc.

3º- Obviamente, que a principal utilidade daquela porra vai ser meter os putos a ver milfs na net. Só não o vai ser porque as Câmaras Municpais estão todas a fazer um manguito ao Sócrates com o pagamento e instalação dos wi-fi ou hotspots por aí a fora. querem net à borla, paguem!

4º- E tudo isto sem qualquer auscultação de mercado ou concurso público, quando aquilo por muitas voltas que se dê é um benesse pública. Uma vigarice. Uma fraude. Um nojo, só possível neste país da treta e com este enginheiro da farinha amparo, sem ofensa para a Didas que é boa cachopa.

e pra já por aqui me fico. irra.

ass: Porco&Mundo

Anónimo disse...

O Estado e o Sócrates que me garanta um negóciozinho de venda de 600 milhões de euros de linguiça por ano cá em Portugal, que garanto que exporto pelo menos uns dez milhões de euros de linguiça prá Quirguizia, pró Nauru e prá Argentina. Fico o rei da Linguiça e ganhamos todos. Ou não.

Há uma coisa que se chama democracia, que pelos vistos não é para todos. Mas prá JSáCouto é.

ass: MundoPorco

Anónimo disse...

Vou ser franco: acho o post deplorável, desculpa lá a crueza da palavra, é jota. Também os posts do Porco não podem ter todos a qualidade dos posts sobre a Monica, é a vida...
É preciso que um gajo se documente um bocadito antes de vir para aqui mandar faladura e escrever coisas como escreves no primeiro parágrafo. O que se escreveu aqui há tempos sobre essa merdunça do magalhães não foram umas bocas avulsas; foram criticas devidamente fundamentadas que o Porco Imundo sintetiza muito bem no comment anterior.O que fazes no post é, simplesmente, reproduzir a propaganda oficial da corja socretina, mais nada.

E acrescento aos argumentos sérios que o Imundo avança, só mais um: o magalhães não tem existência real nas escolas portuguesas. Praticamente não arrancou ainda, os putos não têm magalhães, as câmaras não pagam net. Por várias razões há apenas um número ridículo da coisa no mercado. Para a acção de propaganda que o governo lançou, a montanha pariu um rato.Muito me espanta que, não havendo magalhães no nosso mercado escolar, eles brotem agora aos milhões para a somália o simbabué, a patagónia e não sei que mais...Quanto a essas notícias de encomenda, a propaganda oficial xuxialista lá segue o seu caminho... Nada a que um governo completamente acéfalo liderado por um fato armani com um palhaço lá dentro não nos tivesse habituado há muito...
Anti- Pê Esse

Fã disse...

Ena, a coisa é grave, até querem censurar o bicho no porco! Fala-se do sócrates e esta malta salta a espumar de raiva! Apre...
É pena, realmente, que não esteja a funcionar nas escolas portuguesas, registo com lamento. O resto são opiniões, não digo avulsas, vejo que há gente que se ocupou do assunto, mas opiniões.
A empresa tem um "processo fiscal"? Está bem, está mal, mas quantas é que não os têm e continuam a criar riqueza e emprego? Só espero que o processo contra o administrador e a empresa, que não é apenas fiscal, também é criminal, se resolva sem prejudicar o mais importante, que é o crescimento do negócio e o investimento da Intel.
A riqueza não fica cá toda? Pois é da vida com as parcerias internacionais, é assim que funciona também a chamada "globalização", que também não atende tanto a nacionalismos bacocos como esse do bicho "ser português". Seja como for, para amansar as almas patrióticas, levam uma etiqueta a dizer "made in portugal". Ou "assembled in Portugal", levem lá a bicicleta. Nem me quero envolver nessa discussão bizantina da máquina ser tão portuguesa como os ovos moles. É feito cá e enquadra Portugal nas novas realidades económicas, sobretudo as associadas à informática, às novas tecnologias, mesmo que seja com unidades de montagem, ou beneficiando a indústria de moldes de plástico, que dá emprego a muita gente na marinha grade, por exemplo. Seja como for o governo está bem quando aposta nestas iniciativas.
Essa dos miudos a ver milfs na net é auto-eloquente.
Acho, sim, que o bicho deveria vir equipado com software livre por exemplo. Isso já tá mal. E não só, os meus amigos levantam questões pertinentes, mas no geral, acho bem.

Anónimo disse...

Querido Fã, há umas coisitas que te escapam, por isso aqui vai:

Primeiro:"processo fiscal"? Está bem, está mal"

Há uma coisita menor que se chama lei. E a Lei proíbe qualquer empresa com 5 cêntimos de divida ao Fisco de concorrer e fornecer seja o que for. Para concorrer e fornecer seja o que for, a empresa ou o particular têm que apresentar uma coisita menor que se chama "certidão de não-divida" emitida pelas finanças e que certifica que a entidade nada deve nem ao fisco nem à segurança social. Fora disso kaputt.

Segundo: Há uma outra coisita que se chama Concursos Públicos e que segundo a lei devem feitos, eu sei lá, sempre que há uma qualquer compra ou empreitada ou prestação de serviço acima de certo valor e que não seja urgente. Se calhar 600 milhões não cai na previsão legal, eu sei lá.

Terceiro: todo esse paleio de propaganda oficial que tu embarcas de venda do Magalhães é ridiculo. Tudo aquilo é um saco cheio de vento. A empresa nãon tem sequer capacidade para meter o magalhães nos putos da primária, quanto mais na quirguizia.

Quarto: se é para dar benesses a grandes empresas da era didgital fortemente exportadoras então que se dê á Y-dreams, à altitude, à primavera, à critical software, à quimonda, etc etc.

Agradecia-se argumentos concretos na discussão e não panegiricos socráticos que causam alguma impressão de tão ingénuos. Daí que fica estranho o "opiniões avulsas", capisce?

ImundoPorco

Anónimo disse...

Numa coisa concordo com o Fã: quando me falam do crápula do socras eu realmente passo-me da carola! Isso é verdade. Passo-me como me passaria se qualuer outro crápulo chegasse a primeiro ministro do meu país, como é o caso deste. Não é nada de pessoal: é simples e visceral aversão aos craúlas e ao que eles representam.

Mas mais espantoso é a ingenuidade do fã. Que um burro analfabeto embarque na deslavada propaganda do regime, eu até compreendo. Mas o Fã? O Fã é um gajo do Porco... O Fã lê. O Fâ faz listas de leituras. O Fã era fâ do Prince. Em suma, como o fã não é nenhum burro nem me consta que tenha interesses no aparelho xuxialista, só posso tomar por ingenuidade posts tão cinzentos como isto. E, conhecendo o fã, não deixo de me espantar pois só aqui lhe reconheci a costela naif...

P.S. Para além de ser um crápula o socras dá mau nome às coisas em que toca: chama-se sócrates desonrando assim a memória do grande filósofo. E baptiza de magalhães um computador mandando para a lama o nome do grande navegador. Só faz jus, de facto, a pinto de sousa.

Górgias

Anónimo disse...

de facto o porco é um espaço plural: até admite publicidade gratuita ao socras e ao ps. Ditadura já. e censura. sim, que há limites para tudo. já agora, estamos a falar daqueles magalhães que se dão e depois de tiram, quando já não há comunicação social? era só para saber

Vasco da gama

Fã disse...

Fiquei mais esclarecido sobre alguns pontos, obrigado, mas reitero o post, continuo a achar que esta é uma excelente notícia e quero que se foda a polícia dos costumes.

Anónimo disse...

Caro Fã, gostaria que não chutasses para canto à lá Sócrates. pelo que a bem do debate te peço o seguinte:

1º - Consideras ou não que deveria ter sido feito um concurso público para fabrico e distribuição daquele tipo de computador nas escolas?

2º - Consideras ou não que as empresas e pessoas com a situação por regularizar com o fisco ou a segurança social devem ser impedidas de participar em concursos públicos?

3º - Consideras ou não que a empresa dita cuja que se comprometeu a meter 500.000 magalhães até 31-12 nas escolas, só conseguiu até agora meter 60,000m deveria sofre uma qualquer penalização? Afinal levou o PM a mentir e suponho desrespeitou o contrato, ou é a olhómetro?

4º- Consideras ou não que o Sócrates se deveria abster de fazer acções de propaganda ao Magalhães com atribuição dos mesmos a putos nas escolas e a presidentes e primeiros ministros na Cimeira ibero americana, quando sabia que os assessores os iam recolher a todos de novo, com toda a vergonha inerente?

5º - Consideras ou não que com os problemas dos nossos emigrantes na venezuela, a crise do petróleos, os direitos humanos de cuba, as nacionalizações da venezuela, bolivia e equador, a crise argentina, a guerra civil boliviana,a devastação amazónica, etc etc, o nosso primeiro ministro se deveria abster de em plena cimeira ibero americana vender o magalhaºes com qualquer vulgar vendedor de cobertores de feira com slogans de legos e tintins?

ass: PorcoImundo

Anónimo disse...

olha o gajo a mandar foder a polícia dos costumes: tás tramado! o socras vai-te dar nas orelhas. com este governo o que não falta são este tipo de polícias por isso não digas mal do teu chefe.

Infante d. henrique

Fã disse...

1º - A figura do "concurso público" não é um dogma, não é imune à asneira ou à corrupção, muito menos é obrigatório nos negócios do estado. O ajuste directo é tão ou mais utilizado quando o estado compra bens e serviços, sobretudo porque agiliza processos e em muitas situações essa agilidade é fundamental. No caso, terá sido essencial para garantir a parceria com a Intel. Acima de tudo haja honestidade e transparência de processos - no caso vertente do Magalhães, o que há são insinuações, muitos adjectivos e processos de intenção.Para mim o que há é uma opção do governo, que pode ser criticável e tem certamente pontos criticáveis, alguns enunciados por vós mas que não é nem ilegal nem ilegítima, nem imoral - a propósito, a minha pequena crítica, que não será a única, do software livre, até é injusta, já que o aparelho também vem de facto equipado com linux, além do sofware da microsoft, outra coisa que mete nojo a muita gente.
É uma aposta, que espero que seja bem sucedida.Investindo no magalhães, o estado português viabiliza a parceria entre a Intel e o consórcio português, lança no mercado internacional um computador feito no nosso país, cria umas centenas de empregos numa nova fábrica em Matosinhos de uma área económica que realmente interessa, dinamiza empresas e projectos subsidiários e promove a disseminação entre os mais novos da tecnologia informática e a cultura digital, que é o futuro, gostemos ou não. Não está a funcionar nas escolas, dizem os meus amigos, encalhou no pântano burrocrático do famigerado Sistema Educativo, dizem e eu acredito.E concordo. Concordo que é lamentável, realmente, como "contribuinte" há muitos anos concordo que é uma merda que o estado também continue a ter tantos vícios e defeitos. Concordo que é uma merda que não tenhamos políticos melhores, é uma merda que outras necessidades urgentes do "sistema educativo", como mais e melhores escolas ou mais e melhores professores, também encalhem no pântano burrocrático. Concordo. E além disso, não sou simpatizante do PS e também acho espantosa esta de entregarem à socapa a factura da internet às câmaras, por exemplo. Mas se o Magalhães não penetra nas escolas, não deixa de ser uma boa notícia saber que penetra lá fora, aos milhões no quirguistão, na conchinchina ou na libia. Algo, pelo menos, está a funcionar.

2º - Concordo.
Mas já agora, não tem a ver com a minha concordância de princípio, nem sequer sou advogado de defesa de ninguém, mas a empresa de que falas não concorda contigo: http://www.agenciafinanceira.iol.pt/noticia.php?id=1005404&main_id=

3º - Não conheço bem as causas do atraso nem os termos do "contrato", mas também não duvido que o atraso se deva em parte à referida burrocracia estatal. Seja como for, não acompanho essa sanha castigadora. Justificam-se penalizações quando se justificam, mas há atrasos razoáveis. Se este atraso não é razoável, penaliza-se, pois, naturalmente. O que é que sugeres? Fogueira no terreiro do paço?

4º- Não sei se a história foi bem assim, nem tenho pachorra para confirmar, mas não acho que o Sócrates se deva abster de fazer acções de propaganda ao Magalhães onde quer que vá. Acho que o deve fazer. Ao Magalhães, ao azeite, às eólicas, aos pastéis de tentúgal e a tudo o que se faça neste país e seja exportável. Bons dotes de vendedor são essenciais a qualquer dignitário moderno que queira estimular a economia do seu país.

5º - Considero que esse discurso é demagógico.

Anónimo disse...

Ó fã, tu não dás uma pa caixa nesta matéria. É que não acertas uma. Não só não rebates nem um dos argumentos que são aqui invocados para reforçar a fantochada desta merda toda (e se não «tens pachorra», «não acompnhas», «não estás esclarecido», etc, etc, então não faças posts sobre essas mátérias), como também depois de resumires o que resta do teu apoio ao magalhães a um inenarrrável »mesmo assim acho que é uma boa notícia», nem nisso acertas. É que esta merdunça não é uma notícia - é pura propaganda da mais básica, reles e demagógica. E~, como tal, é má e não boa. Ou seja do teu post o que te resta é ZERO, NADA, OCO. Da próxima escreve antes sobre física nuclear. Talvez acertes uma...
Louvadeus

Anónimo disse...

concordo. escrever para tecer loas, sem fundamentação, vale mais ir a pé a fátima. não se ganha é nada com isso.

HUGO

Anónimo disse...

Uma achega ia a dizer para o debate mas isto não é debate nenhum tal é a ligeireza do post pura e simplesmente arrasado com os argumentos que aqui foram trazidos principalmente pelo primeiro comentador. Mais um argumentuzito: à política de educação de um governo não se pedem magalhães a preços baixos prós putos. É que há prioridades: o parque escolar tá a cair de podre com edificios decrépitos, ginásios sem condições, salas em que chove, ausência de aquecimento, ginásios que não têm condições obrigando as aulas de EF a parar durante o inverno, bibliotecas sem livros, falta de infra-estruturas para o lazer e prática desportiva nas escolas e já nem falo na falta de qualidade arquitectónica, um luxo nestes termos. Nem falo das deficiências dos transpostes escolares, nos problemas das cantinas, na falta de auxiliares educativos... Perante isto que faz este governo de merda? Pois, esbanja em computadores. Inda que fosse muito lucrativo que não é seria sempre um escândalo perante as prioridades a que há que acudir previamente. Esta política é o retrato do priemiro ministro: fato de luxo por fora e cuecas borradas por dentro.
Fã, vai votar xuxialista, não nos massacres é com propaganda a cheirar mal!
João R.

Anónimo disse...

Ó amigos, ó amigos, o Porco é Sereno! Vá lá, não se justifica tanta crispação. Concedam pelo menos que o que o Jota fez foi elogiar a utilidade do computador e a capacidade de negociação internacional do Socras. A primeira divide, a segunda é inquestionável. Eu até dou de barato que o Socras é um aldrabão, um fabulástico técnico de propaganda, um Oliveira da Figueira, um crápula, eventualmente um serial killer nas horas vagas e que o objecto tem a utilidade pedagógica de um abre latas enferrujado. Mas, caramba, a ser assim, um tipo que consegue endrominar o Chavez e o Kadafi é um génio, um Alves dos Reis elevado ao cubo e devemos ter orgulho nele. E há mais tansos na fila (acalmem-se as almas sensiveis, que estou a ser irónico)!
Quanto ao resto… muito me espantaria, por exemplo, que a empresa não tivesse capacidade para respeitar os contratos, como aqui foi dito (logo se verá). Sobre os aspectos legais, dividas ao fisco, etc, sei que a empresa está acusada pelo MP de fraude fiscal e nega as acusações. É o que sei e a ver vamos. E se aquele objecto do demónio não está a chegar às escolas, se as nossas crianças estão a ser enganadas, se não é tão barato quanto se pensa, se, se, se, vá o Socras borda fora nas próximas eleições e punam-se disciplinar e/ou criminalmente os responsáveis quando for caso disso.
Mas não deixo de achar engraçado esse tema do uso dos computadores para o deboche dos pequenitos, que aqui e ali tem sido levantada. É um bocado a mesma coisa que dizer que os cadernos de contas e as carteiras das criancinhas servem sobretudo para desenhar piretes e escrever palavrões… O que não deixa de ser verdade. As canetas BIC, como uma vez disse o São Boaventura, são um instrumento do demónio, e eu ainda lá guardo algures uns exemplares de bic-mail do liceu para o comprovar, de fazer corar as milfs.

Para terminar: é um argumento um bocado ligeiro sobre o que quer que seja, para dizer o mínimo, acusar o oponente de fazer propaganda por conta de outrém. Passando agora por cima do facto de que é perfeitamente legitimo alguém apoiar uma medida do governo e que este espaço deve estar aberto até para isso (esta é para o zeloso vasco da gama), as opiniões combatem-se com opiniões e os factos com factos, não com esse tipo de "argumento" oco.

Tinoni

Anónimo disse...

Assim está melhor meu caro Fã do Magalhães e Tinóni por deber phamiliar:

1º- Concurso Público

Registo que têm desta insignificância a mesma opinião do Sócretino. Não é fundamental. Está na lei para enfeitar, usa-se a gosto e em q.b.. Discordo visceralmente e repugna-me que se fuja a tal coisa num negócio de 600 milhões de euros e que não encerra nenhuma urg~encia especial. Mas pronto essa é a minha costela da mania do estado de direito e do respeito do principio da legalidade que já vi que não tem por aqui adeptos. E pelo governo também não.

2º- Certidão de Não-Divida.

Fiquei a saber que não fazem a menor ideia do que é e do rigor que a lei inerente exige a todos os outros. Voltamos à mesma costela legalista. Defeito meu.

3º- Prazos de entrega.

Outro defeito meu. É a olhómetro afinal e não se deve aleijar ninguém por causa disso.

4º- Venda dos Magalhães e retirada dos mesmos após a oferta para TV ver.

Considero isto do mais vexante que já se fez em matéria de propaganda politica. Na vossa resposta não sabem, mas a ser verdade dizem que não está mal de todo. Há um conceito de burla que vos escapa aqui, mas que diabo, se o burlado gosta, viva a burla. os putos é que não gostaram. a cimeira riu-se. é meter no google que tá lá tudo.

5º- Temas da Cimeira.

Portugal tem um problema muito grave com a perseguição à comunidade portuguesa emigrada na venezuela. Portugal, até pelos interesses na Petrobrás, tem um dever de lealdade com o Brasil e o Lula na questão do gás boliviano e da guerra civil iminente.
Se não souberem do que falo eu explico. O Socretino está com o Chaves e o Morales e vende-lhes computadores. A vender cobertores era preferível um desconto de cêntimo no galão de petróleo. Mas quem sou eu. Eu sou demagógico. Já um gajo que vai vender maquinetas com slogans comerciais para uma Cimeira politica de topo, esse não, esse é Sócrates.

Nem o Chaves faz isso, é grunho e bruto e manda os yankees pró caralho mas sabe bem vender a sua mensagem politica. Não vai para as cimeiras vender bananas ou anonas.

Nem vale a pena continuar. Vivó Magalhães. Ficarei para ver quando estarão os 500 mil entregues por cá, quando é que estará o milhão acordado com a Venezuela e se a coisa com as Quirguizias todas vão em frente ou não. Pelo meio viva a JPSáCouto.

ass:PorcoImundice

PS: As questões que levantei sobre a magalhónica palhaçada jamais levantaram qualquer acusação de corrupção. Nem sequer suspeição. Na dúvida é relerem. Mas é evidente que à mulher de César não basta ser, tem que o parecer. Agora, digo-o aqui e sem meter qualquer acusação ou suspeição de venialidade. Apenas quero que se respeite a lei. Ou há democracia ou comem todos. E eu também sou filho de deus.

Anónimo disse...

PorcoImundicie,

O Jota que responda no que a ele diz respeito, se quiser. Quanto ao je, não sei se ria, se fique espantado. Vou optar por brincar.

1 – Ó senhor doutor, aqui no Talasnal, a gente limita-se a criar as galinhas e a ir vendê-las ao mercado na Lousã todas as quintas-feiras. Isso do estado de direito, ou lá o que é, a gente não sabe, senhor. Eu tenho a terceira classe antiga e foi por favor para tirar a carta da furgoneta.
2 – Ó senhor, voltamos ao mesmo: que é isso “do rigor que a lei inerente exige a todos os outros”? Tomara eu que os meus pintos não morressem com a geada!...
3 – Prazos de entrega? Olhe, o fornecedor já se me devia ter entregue a ração para os pintos e nada….
4 – Isso também não sei. O que me escapa de vez em quando é a malhadita, a malvada da cabrita filha da zefa e do corneta.
5 – Eu acho até que o Socrates (é assim que se chama o nosso primeiro ministro?) devia era ter falado nas condições em que está a estrada do Talasnal para a Lousã, toda esburacada.

Valha-te a Nossa Senhora da Piedade, nossa Santa Padroeira.

Tinoni

Anónimo disse...

Ó Tinóni, tá muito bonito o registo das geadas e dos pintos e muito me ri eu e é bem que ande aqui alguém que também lembre que há uma estrada por arranjar para o Talasnal.

Contudo, e pourtant, como diria a maria joão,

o que é certo é que tu no groink ali de cima a que se respondia (mailo hermanito), a certa altura sais da yellow brick road do talasnal, e sai-te isto:

"Quanto ao resto… muito me espantaria, por exemplo, que a empresa não tivesse capacidade para respeitar os contratos, como aqui foi dito (logo se verá)."

(espanta-te como? O não cumprimento do rpazo anunciado pela empresa e pelo PM, é clarinho. Ou não houve um prazo? é que o PM disse-o e fez gala dele. a menos que o PM e a empresa tenham mentido e o contrato não refira prazo nenhum. é o mais natural, o que nada retira do que disse)

e logo ósdepois sai-te mais isto:

"Sobre os aspectos legais, dividas ao fisco, etc, sei que a empresa está acusada pelo MP de fraude fiscal e nega as acusações. É o que sei e a ver vamos."

( eu sei que isto não fácil de engolir, mas a lei portuguesa é clara. quem quer que seja que deva 5 cêntimo ao fisco ou à segurança social está impedido de concorrer e fornecer o que quer que seja ao estado. e mais, não é preciso condenação, nem acusação em processo crime, nem processo de execução fiscal ou penhora, mais ainda, nem sequer é preciso a notificação da divida ao devedor, basta que a divida do mesmo conste do sistema. a certidão de não divida não é passada e ele não pode concorrer a nada. eu sei que é dificil computar e isto deve escapar ao próprio Sócretino. mas é assim pá. a lei é uma coisa fodida. para alguns claro. outros vivem em democracia)

Ora isto meu caro já foge um bocadito do caminho do oz e tem um cheirinho de argumentação juridica, aliás errada, e foi a isso que eu respondi.

no mais venham de lá as geadas e os pintos carecas. sempre bem vindos. de preferência assados.

ass: ImundicePorcina

Anónimo disse...

Pois, falemos de pintos carecas e de geadas, á falta de argumentos sérios... ó tinóni pá, mas quem é que disse que o tapor não é um espaço de liberdade onde cada um publica o que quizer? Concerteza que sim. O vasco da gama lá de cima é que diz que deviam proibir o fã de meter merdas destas no porco. Acho que é a brincar, claro que o tapor dá para tudo até para fazer propaganda naif ao socras. Ninguém proibe ninguém de postar o que muito bem entender. Agora também ninguém me proíbe de qualificar um post como este como o que ele efectivamente é: propaganda reles do governo engulida acritica e ingenuamente pelo fã.
Anti Pê Esse

Anónimo disse...

Pois, falemos de pintos carecas e de geadas, á falta de argumentos sérios... ó tinóni pá, mas quem é que disse que o tapor não é um espaço de liberdade onde cada um publica o que quizer? Concerteza que sim. O vasco da gama lá de cima é que diz que deviam proibir o fã de meter merdas destas no porco. Acho que é a brincar, claro que o tapor dá para tudo até para fazer propaganda naif ao socras. Ninguém proibe ninguém de postar o que muito bem entender. Agora também ninguém me proíbe de qualificar um post como este como o que ele efectivamente é: propaganda reles do governo engulida acritica e ingenuamente pelo fã.
Anti Pê Esse

Anónimo disse...

Imundicieporcina, noto com agrado e alívio que já te ris. Os meus pitinhos são melhores para o efeito do que as ervinhas que também por aqui medram na serra.
O resto: até aqui no Talasnal há quem não confunda dura lex com durex. Daí que eu próprio tenha dito (vais lá acima, se fazes favor) que se há crime, ou qualquer irregularidade que seja no concurso, devem ser apuradas responsabilidades.
Limitei-me, a propósito (e sem sucesso nenhum) a tentar salientar que uma coisa é a certidão de dívida, (que de facto impede a contratação com o estado) outra coisa (e porque todos sabemos como a máquina das finanças funciona) é, frequentemente, a realidade dos factos.
Mas não tenho dificuldade nenhuma em "engolir" o que quer que seja em relação à tal empresa nem ao Socrates, faz-me lá o favorzinho, por alminha de quem és.
Quanto aos prazos, estás mais bem documentado do que eu, pronto. Só espero que os libios não se chateiem com a tal JP Couto e não nos invadam e instalem aqui tendas e rebanhos de camelos, que cheiram ainda pior do que as minhas galinhas.

Tinoni

Anónimo disse...

Tinó lá volta tu. É uma nos pintos do Talasnal e outra no Jurídico. E no Jurídico a tua argumentação fica meio zonza.

Não houve concurso nenhum. Não percebo a tua dúvida. Por mim devia haver.

Por mim e pela lei, a empresa até pode de facto nada dever e até ser indemnizada e ter toda a razão do mundo etc etc,

o que não impede que até ao trânsito em julgado de tal sentença, a empresa esteja absolutamente impedida de concorrer ao que que seja.

o estado e o fisco estão-se nas tintas para o apuramento de responsabilidades. pagas o que está lá liquidado no sistema e depois reclamas o que quiseres, mas pagas em primeiro. fónix.

a 1ª pergunta e a 2ª do meu Groink lá de cima são cristalinas e tu andas aqui como toupeira cega.

já vi que tu concordas que não haja concurso e que a divida liquidada pelo fisco e a acusação do MºPª são minudências. tudo bem. eu não penso assim, a lei também não e foi só isso que registei e registo, por muito que tu subas e desças o talasnal.


afasta de mim esse cálice, pai!

ass: SingularisPorcus

Anónimo disse...

Singularis, quer-me parecer que estás empenhado a encostar-me a uma posição que eu nunca revelei, de forma nenhuma, e que é a defesa da ilegalidade por parte do governo ou da tal empresa. O que eu disse é que nenhuma empresa pode contratar com o Estado sem ter liquidadas as suas dividas ao fisco. E á segurança social, já agora. E de que dúvida é que tu falas? Não tenho nenhuma dúvida sobre o que diz a lei, que conheço pelo menos tão bem como tu. Onde é que eu disse que concordo que não haja concurso? Importas-te de transcrever?
Quanto ao resto, se o estado ou o fisco se estão nas tintas para o apuramento de responsabilidades, como tu dizes e como decorre da lei, é problema não só da tal JP Couto, como teu ou meu. É assim, mas devia ser ao contrário e digo-o como cidadão e como jurista. Até aposto que noutras circunstãncias virás aqui insurgires-te contra tais prepotências. Por enquanto, dá-te jeito achar tal coisa a solução mais natural do mundo. Ou não me é permitido dizer isso também, sem suspeitas de conivência com o Socras ou acusações paternalistas de ingenuidade?

Tinoni

Anónimo disse...

Tinóni, tudo bem. Erro meu, má fortuna.

E passo a registar o contrário então. Que tu entendes que no caso não se devia ter abdicado de Concurso e que a fazer-se o concurso se devia respeitar a lei.

Por aí também vou.

Só não percebo é o apoio ao Magalhães. Mas prontos, deve ser outro erro de interpretação da minha parte.

ass: ImundoPorco&Brurro

Anónimo disse...

Imundo, o que eu defendo desde o princípio (sem grandes esforços de interpretação) é que deve ser cumprida a lei, nem mais nem menos. Se era ou não exigível concurso público, não sei, porque não estou a par do processo. Como sabes, a lei estabelece as condições em que é exigivel concurso público, havendo casos, tipificados, em que apenas se exige ajuste directo, consulta prévia, etc, etc. conforme o valor do contrato, a natureza da prestação, etc, etc.
Quanto à utilidade do Magalhães, abstraindo agora do resto, não faço ideia. Mas também não será o "risco" de os putos verem milfs, por exemplo, que condicionará a minha apreciação do objecto.

Tinoni

(já tinha saudades destas "picardias" ;) o pessoal de fora deve achar que isto é uma cambada de doidos. A verdade é que em mais nenhum blog, que eu conheça, se pratica tão livremente a discussão entre os seus membros e isso é do mais saudável que há)

Anónimo disse...

ó tinoni, já te conheci mais inteligente: obviamente que estava a gozar porque, de argumentos, está isto cheio e não vejo qualquer reposta credível. quando tu ou o argumentista principal souberem responder, concerteza que aduzirei argumentos. como é óbvio, e tu deverias saber, nunca se coarctou a opinião a alguém

Gama, Vasco

Anónimo disse...

resposta credivel a quê, ó Gama? Tu és exigente... acho bem, mas não sei que te diga mais para além dos comentários que já fiz. De qualquer maneira, isto acho que já deu o que tinha a dar. E se tavas a gozar, tavas a gozar e não se fala mais nisso, prontos.

tinoni

Fã disse...

Pois, isto está interessante, quanto mim já disse o que tinha a dizer sobre o assunto, tendo o caríssimo assessor jurídico preenchido algumas lacunas. Não vale a pena estar a chover no molhado e o debate do escândalo crespiano postado entretanto pelo capitão mouro é mais premente para a nação.
Quanto a isto, se os cavalheiros não acham "credível" ou que "não rebate" ou que é naif ou que é um assobio podem, mais uma vez, os cavalheiros ir chupar na quinta pata do porco.

Anónimo disse...

ah, este é o grande tinoni que conheço. ok.
ó fã, para ir chupar na quinta pata do porco é preciso tu saires de lá

Gamito

Anónimo disse...

e aos costumes disse, nada.

e foi a coisa mais esperta que saiu daquela boca...

Anónimo disse...

ó anónimo isso já é maldade

anónimo 2