31/12/09

18 Balofos!, por Frugal

O país está na penúria e precisa de poupar. Por isso deixo aqui uma proposta de aceitação indiscutível para qualquer cidadão que não tenha o cérebro deformado pela ligação aos interesses das máquinas partidárias: acabem com os Governadores Civis, com todas as suas mordomias, assessores e funcionários do órgão! Aquilo não serve rigorosamente para nada a não ser para premiar, compensar ou preparar carreiras de comissários partidários. Devíamos fazer um movimento nacional para acabar com a vergonha dos governos civis, uma excrescência do salazarismo que já não tem qualquer razão de ser!

Portugal tem 18 governos civis! São dezoito dispendiosos inúteis pagos com o dinheiro dos nossos impostos. Não faço ideia do orçamento necessário para sustentar aquela tralha toda, mas deve custar uma fortuna ao orçamento de estado. Cada uma daquelas excelências basbaques tem uma fornada de funcionários, acessores de imprensa, ordenados acima da média nacional, subsídios disto e daquilo, frotas de viaturas, despesas de representação, etc, etc... Já viram a poupança que era?

No caso de Coimbra,se acabássemos com aquilo,a cidade ganharia ainda um espaço fabuloso, com uma vista sobre o rio igualmente fabulosa - veja-se o pic do post. hei, pessoal de Coimbra, já imaginaram aquele espaço convertido numa fundação onde se realizassem exposições, concertos, performances e que funcionasse como espaço de convívio? Já imaginaram os jardins do governo civil de Coimbra, nas noites de Julho, cheios de gente bonita com uma boa banda a tocar música ao vivo? Pois, eu já... Agora multipliquem por 18.

Podíamos ter isso tudo em vez de não termos nada como acontece actualmente. E com uma diferença, uma enorme diferença: para termos aqueles comissários políticos pagamos forte e feio; mas para termos uma fundação dedicada à cultura naquele(s) espaço (s), ainda lucrávamos. Porque será que os governos se sucedem e não há nenhum que faça disto a sua causa? Até era simples...

6 comentários:

Anónimo disse...

Por acaso até concordo com quase tudo. É que por estas bandas do fim do mundo, até é costume haver por lá alguns concertos e muitos deles com beberete e comerete. Mesmo assim acho que está ali a mais. Mas o pior de tudo é que a Sr.ª Governadora, que por acaso é esposa do Sr. Secretário de Estado de qualquer coisa, é feia que nem um bode!
Anónimo do Fim do Mundo

Anónimo disse...

acrescenta-lhe mais umas dezenas de comissões regionais de turismo e outras dezenas de comissões vitivinicolas e praticamente fazemos um tgv directo à ponta do pargo.

set

Anónimo disse...

Anónimo do fim do mundo: mas onde é que fica exactamente esse teu fim do mundo?

Set: tens toda a razão! Eu limitei-me a focar os 18 basbaques. Mas se pensássemos nas regiões de turismo, nos institutos da juventude e quejandos, arranjávamos narta para mais um tgv e mais estádios de bola.

Frugal

efe disse...

E as dezenas de Institutos criados nos últimos 4 anos? Que se juntaram aos inúmeros já existentes - muitos continuam a ser o que eram com a anterior denominação: juntas autónomas. No essencial, o país manteve a sua estrutura corporativista que vem dos anos 30 do séc. XX, e os milhentos estados dentro do Estado.

Fernando Antolin disse...

Malta, a governadora do meu distrito, a jovem Sónia Sanfona até está muito bem apresentada...embora a inutilidade se mantenha. Já o Governo Civil de Santarém tem,tal como o de Coimbra,uma vista fabulosa sobre a lezíria e o Tejo.Merecia melhor uso,o velho edifício,antigo convento.

Anónimo disse...

Pois é fernando, isto mereceia movimento nacional em vez de andarmos praqui entretidos com as tais «causas fracturantes»...