06/01/09

PR: abreviatura de praga? por Sumo Pontífice

Para que serve um Presidente da República? Quanto gastamos com ele e com tudo que lhe é inerente? E, na prática, o que garante ele? Estaríamos pior se ele não existisse? A democracia ficaria um caos? Estaríamos endividados? Com pior qualidade de vida? Os combustíveis estariam mais caros? O governo estaria a fazer pior (como se isso fosse possível)? Os deputados faltariam à generalidade das sessões? Não haveria alguém para cortar fitas e presidir a actos solenes? Não se levantaria uma palavra para criticar as injustiças quotidianas? A Banca e os patrões mandariam no país? Ah, aquilo dos Açores, pois… cá me parecia que faltava qualquer coisa.

Recentemente, com a solenidade de quem come um belo bolo-rei, o PR (abreviatura carinhosa) promulgou o diploma acerca da avaliação dos professores. Muito bem. Não havia qualquer problema legal, tudo certo. Mas, pensemos, é para isto que os diplomas vão ao senhor? Politicamente, não tem uma palavra a dizer? Concorda, assina de cruz, recomenda, acha bem, força com isto cambada de malandros…? Nada. Nem um singelo ai.

Assim, de repente, parece que “as guerras” são compradas, mas com calculismo geométrico.
Perante uma contestação enorme no seu país, e debatendo-se uma questão tão sensível e fulcral para as pessoas das quais é presidente, o que faz o eleito? Com uma indolência e fleuma além fronteiras recomenda calma e “que se entendam”! Ponderou o decreto? Analisou a substância? Perspectivou as consequências? Concorda com a essência? Provavelmente engasgou-se com o bolo-rei: nem uma palavra. Para uma figura inane, de corpo presente, justifica-se essa carga que se abate sobre nós e que a pagamos bem cara? Juntando-se isto àqueles deputados todos que têm de trabalhar à sexta, estamos bem arranjados… Não sei se uma PRaga traria consequências tão nefastas…

5 comentários:

Anónimo disse...

Tem o autor do post toda a razão. Deváimos era poupar neste órgão inútil que é a presidência da república. Esta merda não serve para mais que gastar dinheiro ao erário público, viide os samapios, soares e agora o cavaco, valha-nos deus.
O país tá quase como a grécia. Ou melhor tá como a grécia mas em vez dos gregos temos os portugueses em portugal. Entretanto, do seu mundinho fechado numa garrafa protectora como aqueles barcos em miniatura, o Praga vem perorar contra uma tal lei a propósito dos açores. ò cavaco: vai mas é dar banho ao cão!
Monarquia Já!
Filipe V

Cão (pré-banhado) disse...

banho ao cão, o carago.
discorrendo: sampaio - completa nulidade; soares: turismo balofo à custa dos nossos refrmados; cavaco: não foi ele quem, quando PM, medalhou dois pides?
foi.

Anónimo disse...

ó filipe V, não ssabia que destestavas assim tanto o cão: cavaco vai dar banho ao cão? tem dó

solipsista

Anónimo disse...

ó filipe V, não ssabia que destestavas assim tanto o cão: cavaco vai dar banho ao cão? tem dó

solipsista

Anónimo disse...

Irra, meia volta salta aqui um monárquico. Raça do catano. São piores que os gafanhotos. Passem aí o Sheltox!

ass: Kublai Khan